Câmara Municipal de Gondomar

JUNTAr+: Freguesias assinam acordo com Governo
publicado a 11 de setembro de 2019

O Auditório Municipal de Gondomar recebeu, hoje, os autarcas de 44 freguesias para a cerimónia de assinatura dos contratos relativos ao Fundo Ambiental JUNTAr+: Soluções Locais para a Economia Circular.

O evento foi presidido pelo Ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, que destacou a qualidade dos projetos candidatos, bem como a importância do poder local na construção de uma economia mais sustentável. “Não haverá uma verdadeira economia circular sem o contributo das freguesias”, frisou o governante.

Marco Martins, Presidente da Câmara Municipal de Gondomar, realçou a importância destes projetos para a construção de um futuro mais sustentável, valorizando, ao mesmo tempo, o papel das freguesias. “A economia circular é uma meta para todos nós, enquanto autarcas e cidadãos”, destacou o edil.

Por seu turno, Pedro Cegonho, Presidente da Associação Nacional de Freguesias, deixou um desafio ao autarcas: “Aprofundem a sustentabilidade dos projetos hoje apoiados, para que os mesmos possam ter sucesso no futuro”.

Já António Braz, Presidente da  União das Freguesias de Gondomar (São Cosme), Valbom e Jovim, lembrou que “as freguesias são o espaço ideal para a sementeira de mudanças que a sociedade precisa efetuar”.

Duas autarquias gondomarenses, Junta de Freguesia de Rio Tinto e União das Freguesias de Gondomar (São Cosme), Valbom e Jovim, viram os seus projetos serem aprovados, destacando-se esta última pela obtenção da maior classificação entre as candidaturas que foram avaliadas pela Comissão de Avaliação, com o projeto “Recuperar é Ganhar+”.

O foco do Fundo Ambiental JUNTAr+ são os modelos de economia colaborativa e de partilha, os circuitos curtos de produção e consumo, a reutilização e extensão da vida útil de produtos e equipamentos e a promoção e valorização de recursos locais. Neste ano, foram recebidas 100 candidaturas, mas apenas 44 foram admitidas, representando um investimento total de cerca de um milhão de euros, sendo que o valor máximo elegível por cada candidatura era de 25 mil euros.